Uma Análise dos Riscos da Dependência de Componentes Eletrônicos Importados Para os Equipamentos de Simulação Viva do CA-Leste

Palavras-chave: Gestão de riscos, Eficiência, Economicidade, Ciclo de vida

Resumo

Este artigo trata dos riscos da dependência de componentes eletrônicos importados para os equipamentos de simulação viva do CA-Leste (Centro de Adestramento-Leste), sob a ótica da sua relação com a gestão de riscos e a gestão do ciclo de vida dos meios de simulação para o Exército Brasileiro (EB). Por meio de uma pesquisa qualitativa, método de pesquisa exploratória e a técnica de análise de conteúdo para o tema, o trabalho estabelece bases conceituais que verificam as premissas consideradas no projeto e analisa os riscos da dependência de componentes eletrônicos importados com vistas a explorar mecanismos para o alinhamento dos níveis adequados de exposição a riscos com as estratégias adotadas pelo EB, além da verificação da possibilidade do aumento da capacidade da Instituição em lidar com incertezas e contribuir para o uso eficiente e efetivo dos recursos públicos. Especial atenção é dedicada ao papel da Gestão de Riscos e Ciclo de Vida, representada no caso em estudo pelas duas categorias da análise de conteúdo. Nesse contexto, observa-se a significativa ênfase dada pela Diretriz Normativa do SSEB (Sistema de Simulação do Exército Brasileiro) à gestão dos Custos do Ciclo de Vida dos sistemas de simulação. Essa ênfase é evidente em todas as análises relacionadas ao tema, demonstrando a necessidade de estrita conformidade com as diretrizes do SSEB neste trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sr. Wagner de Abreu Morais, Centro Universitário Leonardo da Vinci - Uniasselvi

Pós-graduado em Ciências Militares pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais - EsAO; Bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras - AMAN. APós-graduação em Gestão em Administração Pública pela Escola de Saúde e Formação Complementar do Exército - ESFCEx/Centro Universitário Leonardo da Vinci - Uniasselvi. Enquanto experiência profissional, trabalhou no Centro de Adestramento-Leste (CA-Leste) e Comando da Brigada de Infantaria Pára-quedista (Cmdo Bda Inf Pqdt). Sobre experiência em pesquisa, atua nas áreas de Gestão em Administração Pública e Ciências Militares.

Sr. Errol Fernando Zepka Pereira Junior, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Mestre em Administração (FURG); MBA em Gestão estratégica de Negócios (Unopar); Aperfeiçoado em Tecnologias na Educação (IFMG); Aperfeiçoado em Como ensinar a distância (Uniasselvi), Bacharel em Administração (FURG) e Licenciado em História (Uniasselvi). Atualmente, é Estudante do Doutorado em Administração (UFSC).

Referências

BARBOSA, G. E. D. C. Gestão de Riscos em Atividades Militares. Revista Agulhas Negras, v. 5, n. 5, p. 14-32, 2021. Disponível em: https://www.ebrevistas.eb.mil.br/aman/article/view/7906. Acesso em 15 dez. 2023.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 11. ed. São Paulo: Edições 70, 2011.

BLANCHARD, B. S.; BLYLER, J. E. System Engineering Management. fifth. [S.l.]: Wiley, 2016.

BRASIL. EB10-IG-01.018: Instruções Gerais para a Gestão do Ciclo de Vida dos Sistemas e Materiais de Emprego Militar. 2. ed. Brasília, DF, 2022b.

BRASIL. EB10-P-01.004: Política de Gestão de Riscos do Exército Brasileiro. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. EB10-P-01.007: Plano Estratégico do Exército 2020-2023. Brasília, DF, 2020b.

BRASIL. EB20-D-02.010: Diretriz Reguladora da Política de Gestão de Riscos do Exército Brasileiro. Brasília, DF, 2019a.

BRASIL. EB20-D-04.010: Diretriz para o Sistema de Simulação do Exército Brasileiro (SSEB). Brasília, DF, 2022a.

BRASIL. EB20-MT-02.001: Manual Técnico da Metodologia de Gestão de Riscos do Exército Brasileiro. Brasília, DF, 2019b.

BRASIL. EB70-CI-11.441: Caderno de instrução emprego da simulação. Edição experimental. Brasília, DF, 2020a.

COSO - Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Controle Interno – Estrutura Integrada. 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 184 p.

LEAL, J. A. de S. et al. Concepção do Sistema de Simulação do Exército Brasileiro. 2022. Projeto Interdisciplinar (Especialização em Ciências Militares) – Escola de Comando e Estado Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2022.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2013. 277 p.

SOUSA, F. de M. Gestão de Riscos. Revista da Secretaria de Economia e Finanças do Exército, n. 1, p.8-18, mar. 2018. Disponível em: https://www.ebrevistas.eb.mil.br/SEF/article/view/1061. Acesso em: 15 ago. 2023.

Publicado
2024-05-14
Como Citar
MORAIS, W. D. A., & PEREIRA JUNIOR, E. F. Z. (2024). Uma Análise dos Riscos da Dependência de Componentes Eletrônicos Importados Para os Equipamentos de Simulação Viva do CA-Leste. Revista Agulhas Negras, 8(11), 56-75. Recuperado de https://www.ebrevistas.eb.mil.br/aman/article/view/12320
Seção
Artigos Científicos